Carol Tozaki, 22 anos, foi dançarina do Faustão durante um mês, mas ela conta que a sua passagem rápida pelo programa foi por ter se sentido constrangida com algumas situações. “Logo depois de uma apresentação com Martinho da Vila, onde ele se aproximou para sambar comigo, eu fiquei nervosa e desconcertada, não sambei bem. No final, o coordenador do balé se aproximou e disse: Como uma negra não sabe sambar? Eu pensei: Eu sou obrigada a saber sambar por conta da minha cor?”, disse. Foi então que a bailarina decidiu sair da equipe.

Após esse episódio, ela se tornou modelo e digital influencer, e trabalha em cima de temas sobre cabelos crespos e encaracolados, moda e lifestyle a fim de aumentar a autoestima de seus seguidores. O que mais chama a atenção em suas mensagens são as demonstrações sobre o que ela pensa sobre a representatividade negra na TV depois da experiência negativa. “Na atual conjuntura brasileira temos poucos representantes negros em papéis importantes, poucos apresentadores, modelos, políticos ou pessoas no poder que são negros, infelizmente é possível contar nos dedos”.

Apesar disso, ela conta que não se sente prejudicada, mas abre a discussão de que os negros são a minoria. Inclusive, aproveitou para comentar sobre a polêmica em escolher uma personagem negra para o papel de Ariel nos cinemas. “Somos todos Ariel”.

Fotos: MARCIN KOPYCINSKI | CO Assessoria