O comediante Léo Lins foi o convidado do Programa Pânico na Rádio de hoje (6), que foi transmitido pela Jovem Pan também na internet, com link ao vivo, à partir do meio dia. No programa, Léo lançou seu novo livro, ‘O Livro dos Insultos’, falou sobre seu processo criativo e respondeu a perguntas polêmicas.

Logo nos primeiros minutos do programa após a aparição de Léo Lins o streaming ao vivo no site da Jovem Pan caiu, provavelmente dado ao grande número de acessos simultâneos. No YouTube, mais de 80 mil pessoas assistiram simultaneamente à transmissão.

Durante o programa, o humorista conhecido por ser um dos representantes da vertente do humor negro, revelou detalhes de sua nova obra e disse que resolveu fazer o livro de maneira independente, sem editora, para ter total controle criativo da obra em todas as etapas, optando por financiamento coletivo para custear a confecção da sua obra: “Devido minha experiência quando lancei o Sapo Césio em uma plataforma de crowdfunding, percebi que 92% dos usuários que financiaram o projeto eram novos por lá e vierem por minha influência. Então resolvi eu mesmo fazer o financiamento coletivo por meios próprios para essa obra, através da minha própria plataforma e site, assim como fazer as vendas por lá. O livro tem uma encadernação tipo bíblia, com páginas douradas, de alta qualidade, quis que fosse assim”.

Reprodução / MF Press Global

Polêmico, Léo Lins fez piadas com os integrantes do programa, falou sobre censura e respondeu também perguntas dos ouvintes: “Hoje a mídia tem uma hegemonia de esquerda. Eu já sofri muita censura e muitos ataques e não saiu nenhuma nota na mídia. Mas o problema não é a maioria ser de direita ou esquerda, é a maioria ser imbecil. Eu sou contra qualquer tipo de censura, seja beijo gay em revista em quadrinhos ou qualquer outra. Em Taubaté o prefeito chegou a mandar a polícia e impedir os funcionários de trabalharem no teatro para o meu show não acontecer. Um boicote como o que houve com o Gustavo Mendes saiu em muitos lugares mas comigo ninguém fala nada. Realmente para mim é um mistério. Eu acho errado quando a esquerda ataca, mas também quando a direita ataca. Não posso criticar somente um lado”.

O livro de Léo Lins está sendo vendido apenas pelo site fabricadohumor.com.br e não está disponível nas livrarias. O livro faz parte da trilogia Bullying arte e em suas mais de 400 páginas contém mais de 3 mil insultos.