Faltando menos de duas semanas para a apresentação de “Passa, Passa, Passa… Match! Histórias de aplicativos de relacionamento com Jhennyffer Jhullyetty”, conversamos com a idealizadora do projeto, a professora de teatro e atriz Fernanda Faria, que nos contou um pouco mais sobre como pensou no roteiro do espetáculo e também algumas de suas histórias com aplicativos de relacionamento.

  • Fernanda, como surgiu a ideia de produzir uma peça teatral sobre aplicativos de relacionamento?

– Eu estava no parque e passou um carro com o som alto, tocando a música da Jenifer (aquela do Tinder). Achei interessante alguém fazer uma música para ela. Fiquei pensando quem seria essa tal de Jenifer e, de repente, me deu um estalo: eu sou a Jhennyffer! E já me veio na cabeça, imediatamente, o estilo, o cabelão vermelho, uma aparência “chocante”. E assim Jhennyffer nasceu. Mas como se não bastasse, tornou-se Jhennyffer Jhullyetty, para ficar mais estiloso e mais chique! Então, coloquei Jhennyffer no Tinder (de verdade!). Além disso, ela também foi para as ruas fazer umas pesquisas, para saber se as pessoas obtiveram sucesso após os “matchs ”. Foi uma pesquisa de campo interessantíssima, além de muito divertida!

  • Você já passou por experiências em aplicativos de relacionamento? Isso te inspirou em alguma parte do roteiro?

– Sim, conheci alguns rapazes através do Tinder. Das histórias que serão apresentadas no palco, três são verídicas. É claro que tem toda uma estrutura teatral e um toque todo especial da Jhennyffer Jhullyetty, mas foram reais em sua essência. Dessas três histórias, dois dos rapazes se tornaram grandes amigos e o outro nunca mais vi!

  • Na sua opinião, os aplicativos de relacionamento são mais heróis ou vilões das pessoas que os utilizam?

– Prefiro dizer que são experiências. Já conheci histórias lindas, que se tornaram um grande amor, como também ouvi coisas assustadoras. Costumo dizer que até mesmo nos aplicativos de relacionamento, há a lei da atração. As minhas reflexões foram extremamente profundas em relação às experiências que tive.

  • Por que escolheu a cidade de São Paulo para a estreia do espetáculo?

– São Paulo é como o coração da Jhennyffer Jhullyetty: grande, acolhedora, versátil, um lugar para todos e um espaço de grandes conexões e descobertas. São Paulo é o ponto de encontro de várias culturas, sonhos, personalidades e personagens. São Paulo é movimento e movimento é sinônimo de vida! Jhennyffer tem ânsia de viver. Sonha com o impossível. É determinada, forte, romântica e feliz!

  • Como profissional de autoconhecimento, você tem alguma dica ou sugestão para passar para as pessoas que desejam ter sucesso em futuros matchs?

– A maior dica que posso dar é exatamente a que estou colocando em prática: olhe para você, conecte-se primeiramente com você, com sua essência, com sua verdade. Quando a gente se olha, os outros olhos também nos olham. Ou seja, antes de dar match com alguém, dê match com você! Assim, você não vai sair por aí buscando alguém para lhe preencher, porque você já está completo (a). Quando encontrar uma pessoa especial, será para somar!

E se deseja ter mais dicas, assista ao espetáculo! Lá vai chover dicas!!!

“Passa, Passa, Passa…Match! ” ocorre no dia 21 de março, às 21h no teatro West Plaza. Ingressos para a apresentação estão disponíveis no portal online Tudus ou na bilheteria do teatro, com horário de funcionamento de terça a domingo das 14h às 22h.

https://checkout.tudus.com.br/teatro-west-plaza-passa-passa-passa-match